análise de conjuntura:

Do ponto de vista geográfico a Região do Vale do Aço, esta localizada em Minas Gerais, cortada pela BR 381 a 200 km da capital mineira Belo Horizonte. O aglomerado urbano da região do Vale do Aço é composto pela cornubação de Ipatinga, Coronel Fabriciano, Timóteo e as demais cidades do entorno. Configura-se como a área de maior importância do Rio Doce. É um conjunto urbano de aproximadamente 400 mil habitantes, sendo que Ipatinga é a principal cidade do aglomerado seguida de Coronel Fabriciano e Timóteo.

No tocante a economia, a região do Vale do Aço apresenta circuitos econômicos diferentes, responsáveis não apenas pelo processo econômico urbano, mas também pela forma de organização espacial. Ipatinga e Timóteo abrigam siderúrgicas de grandes portes (USIMINAS e ACESITA) respectivamente. A cidade de Coronel Fabriciano, acampa predominantemente o comércio, não possuindo uma siderurgia de grande porte apesar de ter sido a base inicial para a formação dos municípios de Ipatinga e Timóteo. A Usiminas lidera o "Sistema Usiminas", o maior complexo siderúrgico da América Latina, formado por empresas que atuam em siderúrgia e em negócios onde o AÇO tem importância estratégica. Já a Acesita, produtora de aço inoxidável, com um crescente aumento em sua produção nos últimos anos chegando hoje a um milhão de tonelada por ano. Neste contexto, vale ressaltar ainda que a Região do Vale do Aço se situa as margens da BR 381 que faz a ligação entre Minas Gerais, o Nordeste e o sul do país. Outro acesso diz respeito a linha férrea Vitória - Minas, que interliga Belo Horizonte ao complexo portuário do Espírito Santo.Tal acesso criou condições competitivas no escoamento do Aço para todo o Brasil e também para o mercado internacional.
A arrecadação do município de Coronel Fabriciano fica a quem dos outros municípios citados.

Devido a essa disparidade Coronel Fabriciano sofre de uma inércia econômica e política, revelada em grandes problemas sociais, urbanos e ambientais, demandando dos profissionais da arquitetura um novo olhar para a referida questão. Assim, nosso objeto de estudo esta em Coronel Fabriciano, cidade que nasceu em função da linha férrea, onde instalou-se o comércio, originando uma forma de ocupação desordenada em morros e encostas.
o local e a proposta de intervenção:

O local escolhido para a intervenção é a região do Caladinho: Caladinho de Cima, Caladinho do Meio e Caladinho de Baixo. Apesar de ser um só bairro, são classificados assim por serem cortados pela BR-381. O Caladinho é um bairro periférico pertencente a cidade de Coronel Fabriciano, onde esta inserido o Campus Universitário do Unileste-MG. A problemática das inundações que assolam o bairro anualmente no período das chuvas bem como sua alta densidade demográfica explicam nossa escolha.

As enchentes devem-se a existência de um córrego que corta todo o bairro, onde escoa o esgoto a "céu aberto", agravado pelo lançamento indiscriminado de lixo. Percebemos também que nas casas situadas as margens do córrego, uma grande parte possui mobiliários no nível superior, caracterizando, o medo da enchente bem como, a falta de solução do poder público.

Em conversa informal com os moradores do bairro Caladinho fica evidente que o que mais os aflige é o medo da desapropriação.

Frente a essa subjetividade contraditória apresenta-se o posicionamento deste projeto. Faz-se notório que as soluções apresentadas pelas autoridades governamentais mostram-se paliativas, sendo insuficientes para a qualidade de vida das famílias ali residentes. Tal problema agravou-se em função da canalização parcial do córrego referido. Há evidencias de conflitos de interesses e/ou negligencia do poder público já que privilegiou-se como área de canalização apenas a BR 381 e o estacionamento do campus universitário(Unileste-MG).

Partindo de pressupostos que tal problema mostra-se sem solução imediata, o projeto propõe uma maneira de conviver melhor com este. Para isso, pensamos na criação de equipamentos e estratégias, ao longo de todo o córrego existente;como as lagoas, os grandes bolsões, os vales, as interferências na topografia do terreno e o reflorestamento no bairro carente de vegetação, que irão conter a força da água, direcioná-la e facilitar o seu escoamento.

Em conseqüência disso, novas tipologias foram criadas, para as novas habitações, elevadas sob pilotis, invertendo a lógica do terraço ,"remodelamento o modo de habitação", ou seja, uma INVERSÃO das funções de moradia. Essas novas casas serão implantadas nas áreas de vale, que são muito prejudicadas nas épocas de cheia. E também para casas que serão remanejadas para implantação das lagoas, que além de conterem a água da chuva geram espaços de convívio, sob os tablados e passarelas .Apesar desse remanejo, os moradores não perderão a relação de vizinhança existente no local, mesmo tendo suas casas elevadas sob pilotis. Para o sucesso do nosso projeto todo esgoto recolhido ao longo do percurso do córrego, passaria por uma ETE (Estação de tratamento de esgoto) antes de ser lançado no rio.

Logo o projeto foi implantado ao logo de todo o córrego existente no bairro caladinho, visando melhorar a qualidade de vida da população, sustentado com equipamentos e estratégias eficazes, para a problemática existente, invertendo apenas a lógica dos espaços das habitações e zelando por mantê-los no mesmo local, potencializando as práticas cotidianas tão comum no bairro.
fundamentação da proposta no estatuto da cidade:

Direito de superfície: O proprietário, sem perder a propriedade, poderá conceder a outra pessoa, por tempo determinado ou indeterminado, o direito de utilizar o solo, o subsolo ou o espaço aéreo de seu imóvel, respeitada a legislação urbana.

Direito de preempção: O município terá preferência na compra de imóvel urbano, situado em área previamente delimitada por lei municipal, assegurado seu valor de mercado, e desde que a aquisição do terreno pelo poder público atenda a finalidade estabelecida naquela lei.

Operações urbanas consorciadas: São um conjunto de medidas e intervenções coordenadas pelo Município com a participação dos proprietários, moradores, usuários e investidores privados, operando uma transformação urbanística em uma determinada área da cidade, para atingir melhorias sociais e valorização ambiental.

6a bienal de arquitetura e design - exposição online - concurso internacional de escolas de arquitetura
-
montagem - apresentação do projeto - vídeos -